OPA Astrology Store LogoLunação Progredida – O ritmo da nossa vida

Posted in Portuguese

Bárbara Bonvalot – Portugal

Uma das técnicas biográficas mais usadas em Astrologia são as progressões secundárias. Este método faz corresponder simbolicamente cada dia de vida a um ano, partindo do princípio que nós vivemos pequenos ciclos dentro de ciclos maiores e que estes se assemelham aos primeiros em padrão, apesar de divergirem em escala. Explicado de outra forma, se dividirmos o todo em pequenas partes, cada uma delas espelha o padrão do todo.

Nas progressões secundárias é dada uma grande importância à Lua. Sendo o planeta mais rápido, a Lua marca o ritmo dos nossos dias e a fluência do nosso quotidiano. É a Lua que nos esvazia e que nos alimenta, é através dela que pertencemos, que sentimos, que ganhamos raízes e que nos ligamos à Terra e ao colectivo. Assim, também nas progressões secundárias a Lua marca o ritmo do nosso sentir, da nossa carência e da nossa atenção ao longo da vida, daquilo que precisamos alimentar e ajudar a crescer em determinada fase.

Da mesma forma, o ciclo de lunação por progressão secundária reflecte os diferentes momentos de desenvolvimento pessoal e interno dentro de um período de cerca de 29 anos – os 29 dias do ciclo de lunação projectados numa escala de um ano por cada dia. Dependendo da relação entre Sol e Lua no mapa natal de cada pessoa, a primeira Lua Nova progredida poderá acontecer logo nos primeiros anos de vida ou até aos 29 anos de idade. Por exemplo, alguém que tenha nascido com o Sol e a Lua opostos viverá a primeira Lua Nova progredida entre os 14 e os 15 anos; outra pessoa que tenha nascido no quarto crescente terá o Sol e a Lua conjuntos por progressão apenas aos 21 anos.

Enquanto os trânsitos nos falam de eventos externos ou, pelo menos, visíveis e fáceis de datar, as progressões acrescentam-lhes um pano de fundo emocional, um sentido de ritmo subtil, mas bastante relevante na significação pessoal de cada momento astrológico. Independentemente da idade em que qualquer das fases deste ciclo é vivida, cada uma delas assinala os mesmos movimentos do ciclo de lunação, mas numa escala maior e a um nível mais psicológico, interno e subjectivo.

Quando comecei a dar consultas, esta técnica parecia-me demasiado abstracta e vaga para que eu me sentisse segura na sua utilização. Com o tempo (e com o meu próprio mapa), fui percebendo as suas subtilezas e o seu rigor e, hoje em dia, a lunação progredida é essencial para eu enquadrar outras técnicas no quadro maior de crescimento pessoal de cada cliente.

Lua Nova Progredida

Esta é uma fase de inícios, mas também de finalizações, pois para abrir espaço para algo novo é necessário primeiro limpar o passado. A Lua Nova é um ponto de vazio, de escuridão e traz consigo uma sensação de perda ou, no mínimo, alguma confusão. Podemos sentir-nos ainda apegados a alguma coisa que já não é real, que já desapareceu das nossas vidas, com receio de que nada possa alguma vez vir a preencher o vazio deixado por essa vivência, com a qual nos identificámos intensamente. No entanto, este é o momento dos começos, mesmo quando ainda não conseguimos ver o caminho a seguir e o futuro nos parece incerto e vago. É uma altura em que nos apercebemos que há ciclos que se fecham e em que nos começamos a preparar para enfrentar um novo rumo na nossa vida.

Agora ainda não é a hora para fazer planos ou definir metas, mas o foco deve estar em reconhecer aquilo que finaliza. Depois sim, podemos inspirar fundo e continuar a marcha sem pontas soltas ou excesso de bagagem. Este é um ponto zero, onde temos oportunidade de fazer um reset à vida e de nos conectarmos com a nossa essência mais profunda, de maneira a recomeçar o caminho ainda mais próximos nós mesmos.

Quarto Crescente Progredido

Por esta altura, já não há regresso possível à antiga zona de conforto e é a nossa própria vontade que nos guia. Nesta fase, o impulso é para fora. Já existe uma primeira materialização do rumo que estamos a seguir e as nossas novas escolhas já estão a ser vividas de forma visível e palpável. Mas também nos aparecem os primeiros desafios e a nossa autonomia e capacidade de levar em frente os nossos desejos e aspirações são testadas.

Porque a nossa direcção começa a ficar mais definida e concreta, este é o momento de mostrarmos o quanto estamos comprometidos com o nosso próprio crescimento pessoal. À nossa volta encontramos competição e até hostilidade que nos obriga a fortalecer as nossas intenções e a ganhar consciência das nossas forças, do nosso valor e da firmeza do nosso propósito. Muitas vezes, encontramos espaço para ajustes, adaptações e aperfeiçoamentos que se revelam necessários para que o plano maior possa ser bem sucedido. O sentido geral desta fase é de urgência e inquietação, que podem ser vividas em tensão e crise ou com dinamismo e entusiasmo.

Lua Cheia Progredida

Tudo aquilo em que trabalhámos nos últimos catorze ou quinze anos manifesta-se agora em toda a sua plenitude. Podemos gostar daquilo que criámos e permitimo-nos usufruir do nosso momento na ribalta ou pode acontecer que a materialização dos nossos sonhos acaba por revelá-los um pesadelo e obrigar-nos a assumir, forçadamente, as consequências das nossas escolhas anteriores. Da mesma forma que a Lua Cheia é iluminada pelo Sol e se torna visível e aparente, também nesta fase ficamos mais expostos e mais vulneráveis. Seja êxito ou seja fracasso, o resultado do nosso esforço e das nossas decisões vai estar num pedestal, para todos verem.

A Lua Cheia progredida é como o cume de uma montanha que demorámos catorze anos a subir e, como qualquer pico depois de alcançado, o caminho que se segue é descendente. Após atingirmos a completude da forma, temos a oportunidade de deixar para trás a materialidade e o sucesso mundano e de iniciarmos o nosso “regresso a casa” com uma atitude de desapego, mas também de partilha e de dádiva. Depois de colhermos os frutos, doces ou amargos, chega a hora de partilhar a aprendizagem vivida. Podemos tornar-nos professores ou mentores, escrever sobre a nossa experiência ou criar métodos e práticas que podem ajudar e orientar outras pessoas que queiram trilhar na mesma direcção.

Quarto Minguante Progredido

Como no primeiro quarto, esta quadratura da Lua ao Sol traz um momento de crise e de insatisfação. Agora são-nos pedidas provas de maturidade e a forma como lidamos com a desconstrução e desestruturação das realizações alcançadas no ciclo anterior é um bom indicador do quanto crescemos com essas aprendizagens. Olhamos uma última vez para trás antes continuarmos a descida de regresso à nossa profundidade e reavaliamos as vitórias conquistadas e as derrotas sofridas e escolhemos que lições queremos guardar connosco para o futuro.

Ao nos afastarmos do ponto mais alto, o ritmo abranda, deixamos de estar tão visíveis e o foco vira-se para dentro, para nós mesmos. Este pode ser um processo natural e voluntário ou pode ser-nos imposto através de impedimentos reais e físicos que limitam a nossa acção externa. Forçados ou não, esta é a fase em que deixamos cair as máscaras e nos mostramos frágeis e despidos, com as nossas qualidades e defeitos. No fim deste período, chegamos então ao término deste ciclo, prontos para semear novos inícios, contidos nas sementes que nos foram dadas pelos frutos colhidos no ciclo anterior.

 

Bárbara Bonvalot – Portugal
Website: barbarabonvalot.com

$